Painel Monolítico em EPS (Poliestireno Expandido)

Compartilhar:

Painel monolítico (também chamado de Monolite ou apenas Monolítico) é um sistema de construção com elevado grau de pré-fabricação baseado na utilização de painéis de paredes, lajes e escadas. O painel consiste numa placa de poliestireno expandido (EPS) de grande dimensão, malhas de aço leve de altas resistências interligadas por barras de aço eletrossoldadas e camadas adicionais de argamassa ou concreto, colocadas em obra por processos tradicionais ou projetadas com recurso de equipamento de projeção adequado.

A origem do sistema construtivo de Painel Monolítico partiu de um projeto Italiano de industrialização da construção que foi desenvolvido para regiões propensas a terremotos e com a intenção de criar uma estrutura monolítica que não desmoronasse e que reunisse elementos de isolamento térmico e acústico totalmente vedado às intempéries. O sistema de painel monolítico tem homologação italiana (Certificato d’Idoneita Técnica) emitida em 1985 pelo Instituto Giordianos.

O respectivo sistema está em uso cerca de 30 anos nos mais solícitos mercados da construção civil, sendo encontrada em países como Itália, França, Inglaterra, Alemanha, EUA, entre outros. Em meados do ano 2000, o sistema monolítico em EPS foi introduzido no Brasil sendo esse sujeito a variados ensaios e experiências, tanto como produto finalizado como também cada matéria utilizada para a composição do mesmo. De acordo com a ABIQUIM (Associação Brasileira das Indústrias Químicas) de 1999 a 2011, o CAN (Consumo Aparente Nacional) de EPS cresceu 106,7% (ou 6,2% a.a.).

Características do painel monolítico

As principais características do sistema construtivo monolítico é ser composto por paredes estruturais com painéis de EPS (Poliestireno Expandido) plástico celular rígido é um material isolante, leve, resistente, fácil manuseio e baixo custo. Os sistemas construtivos em EPS é atualmente o que há de mais avançado na construção civil na Europa, Estados Unidos e Canadá, com aplicação alcança índices de crescimento acima do normal para economias estáveis como os países de primeiro mundo. Sistemas monolíticos, considerado uma solução para a construção civil moderna, não agride o meio ambiente, reduz o custo, racionaliza energia além de proporcionar um excelente conforto térmico acústico dos usuários.

Com o painel monolítico em EPS a construção fica muito mais leve (97% do seu volume é constituído de ar), tem alta resistência à compressão, à vibração mecânica e baixa absorção de umidade. O processo permite instalar elementos de construção vertical em vários pavimentos e horizontal ou inclinado para pisos e coberturas. O sistema consiste em um painel de EPS entre duas malhas de arame de aço eletro soldadas, com espessura mínima de 55 mm, podendo chegar a 110 mm após o revestimento, dependendo das necessidades do projeto.

A construção através do sistema construtivo de painel monolítico permite a projeção de casas de alto e baixo padrão. Sendo um sistema flexível, garantindo inúmeras criações, atendendo uma infinita gama de especificações projetuais, tais como instalações hidráulicas, esgoto, elétrica, entre outras solicitadas. Por ser um painel de grande leveza (aproximadamente 2,5 e 4kg/m²), ele se torna totalmente viável para paredes simples autoportantes.

Painéis monolíticos em EPS estão baseados pela junção de malhas de aço eletrossoldada ao painel industrializado em poliestireno expandido, onde serão efetuadas as montagens e instalações no terreno desejado e seu molde está desenhado para receber argamassa estrutural na obra. Sistema de painel monolítico funda-se totalmente em painéis articulados fabricados industrialmente.

O EPS e as Normas ABNT

As normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para construção civil utilizando o EPS são as seguintes:

  • NBR 7973 – Determinação de absorção de água – Método de ensaio.
  • NBR 8081 – Permeabilidade ao vapor d água – Método de ensaio.
  • NBR 8082 – Resistência à compressão – Método de ensaio.
  • NBR 10411 – Inspeção e amostragem de isolantes térmicos – Procedimento.
  • NBR 11752 – Materiais celulares de poliestireno para isolamento térmico na construção civil e câmaras frigoríficas.
  • NBR 11948 – Ensaio de flamabilidade – Método de ensaio.
  • NBR 11949 – Determinação da massa específica aparente – Método de ensaio.
  • NBR 12094 – Determinação da condutividade térmica – Método de ensaio.

Outras normas, internacionais…

  • ASTM C-203 – Norma da ASTM International para Método de ensaio para quebra por carga e flexão e propriedades de isolamento térmico do tipo de bloco.
  • EN 13163 – Norma que especifica as exigências dos produtos em EPS (poliestireno expandido), com ou sem recobrimentos ou revestimentos, para utilização no isolamento térmico de edifícios. Trata-se da primeira norma para o EPS com força de lei em Portugal. A norma do EPS EN 13163 faz parte de um pacote de dez normas de produto (EN 13162 a EN 13171) de diversos isolamentos térmicos publicadas em Maio de 2001 e que têm caráter obrigatório desde Março de 2003.

Vantagens do uso de Painéis Monolíticos em EPS

Dentre as inúmeras vantagens proporcionadas pelo uso de sistemas construtivos com painéis monolíticos em EPS destacamos:

  • Baixa Condutividade Térmica: Uma das propriedades mais importantes do EPS é a sua capacidade de resistir à passagem do calor, sua estrutura celular é composta por milhares de células fechadas, com diâmetros de alguns décimos de milímetro e com paredes de 1 mm. repletas de ar, onde ocorre o impedimento da passagem de calor. O argumento que conduz a uma excelente capacidade de isolamento térmico do EPS , é que ele é composto por 98% de ar e 2% de poliestireno, essa quantidade ar deixa o interior das células sem movimentação. A capacidade de isolamento térmico é expressa no Coeficiente de Condutividade Térmica (CCT), habitualmente medido em [W/m°C]. Um coeficiente menor denota uma capacidade de isolamento térmico superior. Note-se, que para obter um efeito isolante numa aplicação construtiva, além do CCT o outro fator determinante é a espessura da camada isolante utilizada.
  • Baixo Peso: O manuseio do EPS é facilitado devido seu peso ser baixo, nas obras todas as execuções são expressivamente diminuídas, as densidades EPS variam entre os 10- 30 kg/m³, acarretando em uma grande baixa do peso das construções. Isso facilita o desprendimento da mão de obra, podendo ocorrer a execução das mesmas em menor prazo do que o estabelecido normalmente.
  • Resistência Mecânica Elevada: Apesar de muito leve, o EPS tem uma resistência mecânica elevada, que permite o seu emprego onde esta característica é necessária.
  • Baixa Absorção de Água: O EPS não é higroscópio (ou seja, não absorve a umidade do ar), possuindo uma grande resistência à passagem do vapor. Mesmo quando imerso em água o EPS absorve apenas pequenas quantidades de água. Com essas propriedades o EPS mantém as suas características térmicas e mecânicas mesmo sob a ação da umidade, garantindo-lhe uma referência de grande estanqueidade tanto para embalagens de proteção de produtos, quanto na construção civil em relação à absorção de umidade.
  • Facilidade de Manuseio: Nos canteiros de obras o EPS é um material adaptável aos recursos disponíveis, visto que os materiais utilizados para a sua instalação não foge do convencional, transmitindo assim, uma grande segurança na execução pelos operários e assegurando que os projetos sejam finalizados, conforme previstos ou até mesmo em tempo reduzido devido ao desempenho que pode ser desenvolvido durante as aplicações nas obras. O manuseio é acessível, pois o baixo peso do EPS facilita a movimentação do mesmo nas obras. A superfície lisa e suave do EPS, bem como as suas características mecânicas, permitem o manuseamento das embalagens em perfeita segurança, tal como o seu armazenamento fácil e racional.
  • Versatilidade: O EPS é facilmente moldado numa infinita gama de tamanhos e formas, que se adapta a qualquer tipo de projeto que seja apresentado, com essa particularidade pode-se transformar o EPS nas mais diversas formas, podendo atender com grande afinidade as solicitações desejadas.
  • Resistência Contra o Tempo: Ao passar dos anos as propriedades do EPS mantém invictas, a sua vida útil é tão longa quanto as construções nas quais ele foi utilizado, o EPS não estraga, não embolora, não libera qualquer substancia ao meio ambiente, não apodrece e não é solúvel em água. O EPS não constitui substrato ou alimento para o desenvolvimento de animais ou microrganismos.
  • Absorção de Choques: A estrutura de células fechadas cheias de ar do EPS proporciona um altíssimo poder de absorção de impactos, quedas, vibrações, etc., permitindo reduzir ao mínimo os danos a produtos embalados durante o transporte ou armazenamento.
  • Alta Resistência à Compressão: O baixo peso das embalagens de EPS determina grandes economias no transporte e por consequência a poupança de recursos. É possível empilhar as embalagens de EPS tanto no armazém como durante o transporte e no ponto de venda.

Conclusão

Nos dias de hoje, com a evolução tecnológica em pauta, sempre haverá a busca de novos sistemas construtivos, de métodos rápidos e acessíveis, buscando mão de obra qualificada e facilitada, ambientes bem projetados, fatores esses, que a construção Monolítica em EPS oferece garantindo economia em relação aos outros sistemas convencionais.

No presente momento a atuação do sistema construtivo Monolítico em EPS está fundamentada em normas e pesquisas explanadas detalhadamente para esse material. É um sistema conhecido e implantado por grandes nações em todo o mundo, e está sendo aplicado no Brasil a aproximadamente 15 anos, passando por processos de adaptação, melhorias e imensa aceitação na indústria da construção civil. Abaixo veja um vídeo que mostra como o sistema é feito.

Fontes:

  • Engenheira Civil Gislaine Maria Antonelli;
  • ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas – Normas ABNT para construção civil utilizando o EPS. Rio de Janeiro ABNT;
  • ABRAPEX – Associação Brasileira do Poliestireno Expandido, criada em 1993. Disponível em: <http://www.abrapex.com.br>. Acesso em 14 abril 2012;
  • ACEPE – Associação Industrial de Poliestireno Expandido. Disponível em: <http://www.acepe.pt/eps/eps_prop_term.asp>. Acesso em 26 março 2012;
  • CONCREPS – Empresa do ramo da construção civil em EPS. Disponível em <www.concreps.com.br>. Acesso em 13 abril 2012;
  • TERMOTÉCNICA- Visita técnica em agosto de 2012 e disponível em <www.termotecnica.com.br>. Acesso em 20 maio 2012.

Artigo de Cíntia Reis, Engenheira Civil.

Engenheira Civil Cíntia Reis

Compartilhar:

Eng. Cíntia Reis

Engenheira Civil. Pós-graduada em Ergonomia, Saúde e Segurança do Trabalho. Graduada em Engenharia Civil pela Faculdade de Engenharia e Arquitetura, e em andamento com a pós-graduação em Estruturas.

2 thoughts on “Painel Monolítico em EPS (Poliestireno Expandido)

  • sexta-feira, 27 de janeiro de 2017 em 14:45
    Permalink

    Olá!
    Posso fazer o segundo piso da minha casa com esses paineis de EPS mesmo o piso térreo tendo sido feito com paredes tradicionais de tijolos?
    É possível não colocar a laje, mas somente forro de PVC c um telhado?
    Qual o valor aproximado ficaria a minha obra de 50 metros quadrados, com poucas paredes internas?
    Grata.

    Resposta
    • quarta-feira, 15 de março de 2017 em 00:08
      Permalink

      Olá Luciana !
      É possível sim. Nota-se que o baixo peso das paredes favorecem estruturas simples. Temos que avaliar também se há elementos estruturais no pavimento térreo que possibilite a construção de um pavimento superior. Pois, não consideramos somente o peso da estrutura(cargas permanentes), mas também as cargas os pesos adicionais(cargas acidentais). O custo deste sistema não difere dos custos tradicionais, tendo em vista que o preço do EPS Tipo 4, é caro. Mas o Custo x Beneficio é fantástico.

      Resposta

Deixe uma resposta para Luciana Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − 4 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.