Execução de Pomar

Informações sobre como construir ou reformar sem agredir o meio ambiente, construção ecológica e sustentável.

Execução de Pomar

Mensagempor Leandro » 22:24 - Terça-feira, 10/03/2009

A implantação de um pomar exige técnica e dedicação, especialmente no cultivo das árvores. A primeira questão é a escolha do local dentro do terreno, o que se torna ainda mais importante se a execução do pomar for feita junto com a construção da casa: o local deve estar livre do trânsito da obra e máquinas. Se a obra tiver duração curta (até 1 ano), provavelmente não vale a pena fazer o plantio das árvores antes do seu término; em obras mais demoradas, dois a três anos já são suficientes para que grande parte das árvores plantadas no início da construção comece a dar frutos. Um ponto importante é a irrigação durante a execução do pomar, o que requer providências para que não falte água.

Em relação à localização no terreno, as árvores frutíferas preferem a face Norte ou, caso isso não seja possível, a Nordeste, pois quanto maior o sol recebido, mais doces serão os frutos. Uma maneira de garantir boa insolação a todas as árvores é dispor as maiores (abacateiros, jaqueiras e mangueiras) ao fundo, as médias (laranjeiras, goiabeiras e carambolas) no meio e as pequenas (mamoeiro, figueira e bananeira) à frente, impedindo assim que uma faça sombra à outra.

Vale lembrar que as árvores frutíferas não suportam ventos fortes. Uma boa opção para atenuá-los é a colocação de cercas vivas, utilizando-se árvores como a amoreira, cedrinho e grevilha, entre outras, que devem ficar a uma distância aproximada de 4 metros do pomar, com espaçamento de 2 metros entre elas. Também alguns arbustos, como o hibisco, o buxinho e o bambu, podem ser utilizados com essa mesma finalidade.

Outro aspecto importante a considerar é o clima da região. O Nordeste brasileiro favorece o cultivo de frutas exóticas, como o caju, a manga, a fruta-do-conde e a jaca, enquanto o Sul e o Sudeste são mais propícios às frutas cítricas, como laranja e limão, ou temperadas, como pera, maçã, figo, caqui e pêssego. Algumas espécies, tais como abacate, acerola, banana, goiaba, jatoticaba, mamão, maracujá, e mesmo laranja e limão, adaptam-se bem a qualquer clima.

Para preparar o solo, é preciso, antes de tudo, medir o pH: o ideal é quando ele se aproxima de 7. Para corrigir a acidez (pH baixo), pode-se usar calcário dolomítico; já os solos muito alcalinos exigem sulfato de ferro. Para enriquecer a terra, os tradicionais estercos e húmus de minhoca são bons. O equilíbrio perfeito é atingido com o composto NPK (N de nitrogênio, responsável pelo crescimento do vegetal; P de fósforo, que fortalece raízes e facilita a frutificação; e K de potássio, controlador do balanço hídrico da planta), que pode ser adquirido em lojas de jardinagem e deve ser aplicado a cada dois meses.

Para melhorar a qualidade das mudas, é possível enxertá-las, processo de multiplicação vegetativa que consiste na união de duas plantas diferentes de um mesmo gênero com o objetivo de torná-las apenas uma, de melhor qualidade, garantindo que as espécies tenham mais vigor e aumentem sua produção, além de ser uma alternativa para cultivar plantas de difícil enraizamento. A espécie mais fraca, chamada cavaleiro ou enxerto, terá uma ou mais borbulhas (broto ou gema) fixadas no caule da mais resistente, chamada cavalo ou porta-enxerto. A enxertia deve ser feita na primavera, mas nunca quando as plantas estiverem dando flores ou frutos, e nem em dias de chuva.

Quanto à poda, os tipos mais comuns são o desbaste lateral, em que corta-se os galhos velhos ou doentes nas laterais, favorecendo um crescimento na vertical, e a poda nas extermidades, acarretando um crescimento lateral, dando à árvore uma aspecto mais arredondado. Em ambos os casos, as podas são executadas com tesouras ou serrotes, sendo preferível executá-las no inverno, quando o metabolismo da planta é mais baixo.

Na irrigação, é importante não deixar a terra nem muito seca, nem muito úmida; o ideal é regá-la todos os dias, quando estiver muito calor, e a cada dois dias durante o inverno.

A tabela abaixo mostra qual a época mais recomendada para o plantio de cada fruta, quanto tempo cada uma precisa para dar frutos e o número de safras por ano, sempre lembrando que as variações climáticas e as diferentes espécies podem alterar para mais ou para menos o tempo da colheita.

pomar.gif


Fonte: Revista Arquitetura & Construção - jan/94.
Você não está autorizado a ver ou baixar esse anexo.
Avatar do usuário
Leandro
Fundador do GdO
Fundador do GdO
 
Mensagens: 899
Registrado em: 19:45 - Segunda-feira, 22/01/2007
Localização: São Paulo - SP - Brasil

Voltar para Meio Ambiente e Sustentabilidade

 


  • Tópicos relacionados
    Respostas
    Exibições
    Última mensagem

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: CommonCrawl [Bot] e 0 visitantes